Pedro Honorato e as ’20 indagações sobre a covid-19 que você precisa saber’

1. O uso de máscaras podem ser a melhor barreira de proteção contra o coronavírus.

Verdade. A máscara previne o contato entre as partículas contaminadas exaladas pelo indivíduo doente e a mucosa oral e nasal do sadio, porém, quando não são cumpridas todas as recomendações de segurança, a infecção pode ocorrer. Por exemplo, se a pessoa tocar em uma superfície contaminada e, sem lavar as mãos, encostar no próprio olho, é possível haver a infecção, mesmo no uso de máscara. Isso ocorre, pois a máscara apenas protege o nariz e a boca do contato com o vírus, não protegendo, entretanto, os demais locais possíveis de contaminação.

2. Luvas e máscaras protegem contra a transmissão da doença.

Verdade. O uso da máscara cirúrgica é recomendado para os casos confirmados e os suspeitos e a máscara N-95 deve ser usada por profissionais da saúde. Na indisponibilidade da N-95, os profissionais de saúde também podem usar a máscara cirúrgica. É importante lembrar que a máscara cirúrgica deve ser trocada idealmente de 2 em 2 horas, podendo, no máximo, ser trocada de 4 em 4 horas.

3. A taxa de mortalidade do novo coronavírus (COVID-19) é maior do que a de outros coronavírus.

Não. A taxa geral de mortalidade pelo coronavírus, segundo o estudo realizado pelo Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças (CCDC), é de 2,3%. Em pessoas com mais de 80 anos chega a 14,8%. Já a taxa de mortalidade da síndrome respiratória aguda grave (SARS) era de 10% e a da síndrome respiratória do oriente médio (MERS) era de 20% a 40%. Pode-se concluir, assim, que a taxa de mortalidade pelo novo coronavírus é menor do que a calculada nas cepas anteriores.

4. Cães e gatos podem transmitir a doença.

Não. Não há evidências de que animais domésticos, como cães e gatos, podem ser responsáveis pela transmissão do vírus. É recomendado, no entanto, lavar sempre as mãos após entrar em contato com os animais, já que estes podem transmitir outras doenças.

5. Animais silvestres podem transmitir o coronavírus.

Verdade. Morcegos e cobras e outros repteis por exemplo, podem ser capazes de transmitir a doença, tendo sido isso comprovado em estudos.

6. Entregas pelo correio vindas do exterior correm o risco de transportar o vírus para o destinatário.

Não. O vírus pode sobreviver, no máximo, 24 horas fora do organismo humano. Desse modo, não é possível que seja transportado para outros locais do mundo através de objetos ou cartas. Vírus não sobrevive por longos períodos sem a entrada em um organismo hospedeiro que lhe forneça as condições de replicar.

7. Os sintomas da COVID-19 podem se assemelhar aos de um resfriado comum.

Sim. Os sintomas mais comuns são bem parecidos aos do resfriado comum, como a tosse, espirros, febre, fadiga, fraqueza muscular, entre outros. É importante que o indivíduo se atente aos sintomas de febre, tosse e dificuldade para respirar. No caso de gravidade, deve ser procurada uma unidade de saúde que tenha o suporte necessário para tratar e conduzir adequadamente o caso.

8. Existem medicamentos que evitam a covid 19, tais como: Hidroxicloroquina, Annita e outros?

Não. Esses remédios nada contribuem para o tratamento da covid 19, ainda não há provas reais de suas eficácias. Existem outros remédios que estão sendo testados com o mesmo intuito. Até agora, o melhor tratamento para o coronavírus é a prevenção caso o paciente seja contaminado de forma grave os médicos decidirão qual medicamento será necessário além da oxigenoterapia que nestes casos são indispensáveis.

9. Hipertensão aumenta o risco de complicações do coronavírus.

Sim. Portadores de doenças crônicas, como a hipertensão arterial sistêmica (HAS), têm maior chance de contraírem o vírus e de apresentarem complicações no decorrer da doença. Além disso, segundo um artigo publicado no periódico The Lancet, alguns medicamentos utilizados no tratamento da hipertensão, como os inibidores da enzima conversora da angiotensina (IECA) e bloqueadores dos receptores da angiotensina (BRA), podem interferir com o coronavírus através do aumento da taxa de replicação deste. Não se entende, no entanto, como essa interação ocorre.

10. O morcego foi o animal responsável pela disseminação do novo coronavírus na China.

Não. De acordo com a OMS, não existe comprovação científica de que esse animal possa ter sido responsável pela disseminação do vírus, porém existem rumores de que pesquisas de laboratório com uma espécie de animal não especificado pode ter modificado um vírus que deu origem ao novo coronavírus.

11. Os chás de plantas medicinais como Quina-quina, Barba timão, Chorão, ninho entre outros contém a mesma substância do medicamento Tamiflu e é útil no combate ao coronavírus.

Não. Nenhum tipo de chá pode ser utilizado para substituir o tratamento adequado contra o coronavírus. Isso se trata de conhecimento popular que podem inclusive atrapalhar o tratamento.

12. Crianças não contrai o coronavírus.

Não. Apesar do baixo número de infectados na faixa etária abaixo dos 10 anos de idade, crianças também podem apresentar a doença.

13. Idosos já vacinados que contraem a infecção pelo coronavírus podem desenvolver quadros respiratórios graves.

Sim. Os idosos fazem parte do grupo de risco para essa doença, tendo maior probabilidade de apresentarem quadros mais graves. Inclusive pelo fato de que sua imunidade pode ser baixa e por isso não produziu antígenos necessários a proteção contra o vírus.

14. Álcool protege contra o coronavírus mesmo aplicado na pele para a prevenção.

Não. A Sociedade Brasileira de Dermatologia orienta utilizar o álcool em gel 70% medicinal e nunca o de limpeza doméstica. Receitas caseiras também não são recomendadas.

15. A vacina da gripe previne contra a Covid-19

Não. A campanha de vacinação contra a gripe foi antecipada, porém não previne contra o novo coronavírus. O objetivo da antecipação foi evitar que mais uma epidemia aconteça ao mesmo tempo no país e garantir que menos casos necessitem de cuidados intensivos.

16. quem já contraiu covid 19 pode ser reinfectado?

Sim, uma vez contaminado a pessoa pode ficar por um período imune da doença, porém não foi definido ainda por quanto tempo isso se dar.

17. pessoas mortas durante o velório transmitem a doença aos presentes no seu velório?

Não, quem transmite são as pessoas vivas que estão respirando próximas uma das outras no momento do velório.

18. A transfusão de sangue pode transmitir a covid para o paciente receptor?

Sim, isso é possível e não recomendado.

19. A imunidade de rebanho é a única chance de saímos da pandemia?

A imunidade de rebanho é uma realidade quando um agente imunizante se espalha pela maioria dos indivíduos em uma comunidade, no caso da covid uma pandemia mundial isso será mais difícil, porém essa se dará com auxílio da vacinação nestas dimensões.

20. Quem contrai a covid 19 pode ter impotência sexual?

Não, as causas que podem levar a estas condições são múltiplas, mas não há estudos que revelam que o coronavírus é responsável por impotência sexual.

Pedro Honorato

Profissional de saúde

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: