No dia das Mães não poderia faltar a homenagem do Junhão.

FELIZ DIA DAS MÃES!!!

CEIÇA

Sessenta e seis anos. Quase não conseguiu dormir durante a noite inteira sonhando com o presente que irá ganhar do filho no segundo domingo de maio. Durante anos nunca ganhou nada porque o filho nunca se lembrou da dita data. Mas, nesse ano, Ceiça acredita que o Junhão está mais ajuizado e certamente irá se lembrar da data para presenteá-la. É dia de sábado, véspera do dia das mães, e o sujeito dorme despreocupado perto de duas horas da tarde. Ela está preocupada com o ressonar dele e fica angustiada perguntando-se:

                – “Nepussível” uma merda dessa! Amanhã é o dia das mães e o Juninho parece que “nem taí e nem vai chegando” pra comprar o meu presente. Será que é ingratidão?

O Junhão continua roncando e ela se questiona:

                – Ou será que o meu adorável filhinho vai querer “mim” fazer uma surpresa? Atencioso do jeito que ele é comigo, com certeza o presente deve estar escondido pra “mim” entregar amanhã bem cedo. Eu rogo a Deus que esteja certa no meu pensamento.

Resoluta em fazê-lo acordar, começa a fazer barulho a fim de que o filho se sinta incomodado e resolva se levantar para que ela comece a investigação sobre onde está escondido o esperado presente. Depois de algum tempo fazendo baticuns com a vassoura na parede do quarto dele, enfim o Junhão passa enfezado em direção ao banheiro. Cheia de satisfação Ceiça o cumprimenta exclamando:

                – Bom dia, querido filhinho!!! Você sabe que dia é amanhã?!…

JUNHÃO

Quarenta e seis anos. Demonstrando estar chateado por ter sido acordado, ele para e vira-se para trás em direção à mãe e diz com a voz rouca, quase rosnando:

                – “Peraí” coroa!… E eu sou lá adivinho ou tenho cara de calendário pra saber que dia é amanhã?!… Que “nóia” é essa de ficar “apertando a minha mente”? Pra seu governo estou de ressaca e ainda não acordei direito, por isso fico retado quando me acordam antes de ter o meu sono satisfeito.   

CEIÇA

Ao ouvir a reprimenda do filho ela fica sem jeito e tenta se justificar dizendo:

                – Desculpe a mamãe, filhinho… Não foi a minha intenção de lhe acordar antes do horário, mas é que estou ansiosa para que você saiba a importância da data amanhã.

JUNHÃO

Continua nervoso e revida de forma enérgica:

                – Não tenho o menor interesse em saber de zorra de data nenhuma! Pelo que sei não é o meu aniversário; portanto seja lá que data for, pra mim não tem a menor importância.

Depois ele diz sorrindo:

                – Só se for a data da “morte da bezerra”!

E completa falando baixo:

                – Acho que joguei pedra na cruz de Cristo pra ter uma pirada dessa como minha mãe.

CEIÇA

Fica sem jeito por causa do esquecimento do filho e, com humildade, fala com a voz lânguida:

                – Amanhã é o dia das mães, meu filho. Sendo uma mãe dedicada como eu sou, “porisso” pensei que você fosse se lembrar da data e “mim” desse um presentinho qualquer… Essa atitude bastava pra demonstrar o seu afeto, o que “mim” deixaria muito feliz.

JUNHÃO

Ao ouvir a queixa da mãe ele dá uma larga gargalhada e fala:

                – Então é isso?!!!… Poxa velha, você nem me dá a oportunidade de fazer uma surpresa! Que estresse é esse?! Quem tem uma mainha igual a você tem tudo na vida, então como eu ia esquecer de comemorar a sua data? Relaxe, porque o seu presentão está a caminho.

A seguir ele ordena:

                – Esquente a comida porque depois do banho vou almoçar rápido para ir ao shopping comprar o seu presente! Você fez bem em ter me acordado. Mais tarde as lojas vão estar entupidas de gente, por isso preciso me apressar.

Para convencer a mãe a não ir também, ele sugere de forma disfarçada no intuito de amedrontar a mãe:

                – Ainda bem que você não vai comigo porque ia ficar sufocada no empurra-empurra e nos solavancos que ia tomar no meio do povaréu querendo comprar tudo que encontra pela frente. Na sua idade poderá sofrer muitas fraturas e ir parar no hospital.  

Após o almoço e depois de bem arrumado e perfumado ele abraça a mãe e lhe dá um beijo afetuoso na testa. Ceiça fica tão contente com o carinho do filho que quase desmaia. Então ele lhe fala com a voz meiga:

                – Mainha, você bem sabe que eu tenho boa vontade em lhe presentear, mas o que me falta é a grana. Para comprar o seu presente é necessário que você libere o seu cartão de crédito e a senha. Só assim poderei comprar um bom presente para a minha querida mãezinha…

CEIÇA

Nesse momento ela fica emocionada, mas depois fica aflita quando se lembra da despesa extra que irá surgir e pede quase suplicando ao filho:

                – “Tá” bom, filhinho, eu dou, mas não exagere no gasto porque o seu pai vive reclamando das despesas. Pra mim qualquer coisinha que você comprar é de bom grado, contanto que não seja cara. O importante é que você se lembrou de comprar o meu presente. Peço que não compre panelas; afinal é presente do dia das mães…

Dito isso ela suspira aliviada. Afinal considera o filho muito obediente e jamais ele irá fazer alguma coisa que a contrarie.

JUNHÃO

Assim que a mãe vai para o quarto pegar o cartão e a senha para entrega-lo ele dá um largo sorriso. Subserviente ao filho ela volta ligeiro e lhe entrega os documentos. Depois de munido com o que ele queria, Junhão se despede sem afagos e parte às pressas. Estando na rua, quando encontra um orelhão ele telefona alegre para Janete. Marcam o encontro num shopping chique da cidade. Quando se encontram no ponto de ônibus Junhão informa que ele está endinheirado e combina para irem curtir o final de semana em uma pousada na praia, na linha verde. Ao saber da folga financeira dele, Janete chantageia o namorado e fala exigindo:

                – Olhe Juninho, eu só vou se você comprar um presente bem bacana para a minha mãe!

Nesse momento Junhão fica enfezado, engrossa a voz e fala espumando de raiva:

                – Se a mãe é sua, você que compre o presente pra ela!!!

Janete finge que que irá chorar, esfrega os olhos para ver se sai alguma lágrima, depois faz beicinho e diz com a voz mansa:

                – Mas querido, você sabe que eu não trabalho e também não me dá um tostão pra nada, por isso não tenho condições financeiras para presentear a minha mãe. Além do mais ela gosta muito de você.

Junhão continua zangado com o assunto e replica:

                – E daí?!… Se ela gosta de mim o problema é dela. Não vou gastar o meu dinheiro comprando presente pra mãe de ninguém!

A namorada fica revoltada, cruza os braços, fica enfezada e impõe a sua vontade:

                – Se você não comprar o presente para a minha mãe eu não vou pra lugar nenhum com você e pronto!

E continua falando para justificar o seu pedido:

                – Se eu sumir por três dias, quando voltar para casa quem ouve os desaforos dela sou eu. Mas, se eu chegar em casa e lhe der um presente porreta ela fica satisfeita e me libera outras vezes pra gente curtir. Ela é doida pra ter uma bolsa de couro de grife.

A seguir conclui:

                – Aí você aproveita e compra uma bolsa igual para dona Ceiça; afinal, amanhã é dia das mães…

Junhão cede parcialmente aos argumentos de Janete e fala contrariado:

                – “Tá” bom. Eu vou comprar a bolsa para a sua coroa.

Antes que ela fale alguma coisa ele completa:

                – Quanto à velha Ceiça, não adianta você pedir porque eu não vou comprar nada. Ela já ganhou o melhor presente do mundo quando eu nasci. Diga aí, qual é a mãe que tem um filho maravilhoso igual a mim?!

Janete concorda sorrindo e é informada de que, após a compra do presente da mãe dela, irão embarcar num coletivo rumo à Arembepe para curtirem o final de semana.   

 CEIÇA

Domingo, dia das mães. Acostumada às farras de Junhão não desconfiou do porquê o filho não ter dormido em casa. Mesmo com esse fato relevante ela tem a convicção de que o Junhão irá aparecer até a hora do almoço com o seu presente. Imagina que a demora dele chegar é porque irá lhe fazer uma surpresa maravilhosa. Apesar de ter pedido para que ele tivesse parcimônia com os gastos na compra do seu presente ela sonha em ganhar uma bolsa de couro de grife famosa para “fazer figa” às amigas mostrando o presente caríssimo que ganhou do filho devotado. Animada por causa da comemoração ela acordou bem cedo para preparar o almoço. Está radiante porque o Alcebíades pai, seu marido, ligou para lhe dar os parabéns referentes ao dia das mães. Também conversaram generalidades e Ceiça aproveitou a oportunidade para ficar elogiando muito o filho, glorificando-o.

Apesar de estar nos afazeres domésticos, Ceiça está toda arrumada: óculos de grau forte de armação grande, com bóbis enormes prendendo os cabelos, unhas pintadas com esmalte amarelo, batom vermelho carmim, usa uma calça pantalona azul cerúleo de cintura alta, blusa de cetim verde Musgo, cinto largo da cor violeta com fivelão dourado posicionado e bem apertado perto dos seios. Esperançosa, não vê a hora do filho chegar com o almejado presente. Quando o filho aparecer ela quer que o refinado almoço deverá estar dentro dos conformes. As cervejas que ele irá beber já estão no congelador e para ela, o vinho barato, tinto, suave, já está na geladeira. Está ansiosa para iniciar a farra na companhia do filho para comemorar a data.

Apesar de todos os preparativos, nem tudo sai de acordo com o seu planejamento. Infelizmente o Junhão não chega para o almoço e nem ligou dando notícias. A tristeza de Ceiça é visível ao ver o tempo passar sem a presença do filho e ela fica esmorecida. Quando perde a esperança dele chegar ela fica desolada e, às dezessete horas, almoça sozinha. Chorosa, viu que havia perdido muito tempo consultando receitas e assistindo vídeos para saber como preparar pratos grã-finos. Apesar dos seus esforços a comida parece palha em sua boca; não tem gosto de nada. Desgostosa, pronuncia a sua comiseração soluçando entre lágrimas:

                – Tenho certeza que o Juninho não veio porque foi envolvido pelas amizades ruins que ele tem, “porisso” se esqueceu de comprar o meu presente; agora o coitado deve estar com vergonha de “vim” pra casa.

Ainda choramingando ela conclui:

                – Mas eu fico conformada porque o dia das mães tem todos os anos. No próximo, tenho fé em Deus que o meu filhinho vai se lembrar de mim.

Nota: O presente de Ceiça chegará quando ela receber a fatura do cartão de crédito.

Autor: Joswilton Lima

Joswilton Lima é natural de Ilhéus-Ba, mas é domiciliado há mais de vinte anos em Morro do Chapéu. Tem formação em Ciências Econômicas, mas sempre foi voltado para as artes desde a infância quando começou a pintar as primeiras telas e a fazer os seus primeiros escritos. Como artista plástico participou de salões onde foi premiado com medalhas de ouro e também de inúmeras exposições coletivas nos estados da Bahia, Sergipe e Pernambuco. Possui obras que fazem parte do acervo de colecionadores particulares e entidades tanto no Brasil, quanto em países do exterior, a exemplo dos E.U.A, Portugal, Espanha, França, Itália e Alemanha. Possui o site www.joswiltonlima.com onde tem uma mostra de algumas de suas pinturas em diferentes técnicas e estilos, sendo visualizado por inúmeros países.

Em determinada época lecionou pintura em seu atelier no bairro de Santo Antonio Além do Carmo, em Salvador, e foi membro de comissões julgadoras em concursos de pintura. Nesse período exerceu a função de Diretor na Associação dos Artistas Populares do Centro Histórico do Pelourinho (primitivistas e naif’s), em Salvador.

Como escritor também foi premiado em diversos concursos de contos tendo lançado um e-book com o título “Enigmas da Escuridão”, com abordagem espiritualista, tendo obtido a nota máxima de 5 estrelas de leitores do site www.amazon.com.br Outros contos e romances estão sendo escritos.

Concomitante às atividades artísticas sempre exerceu funções laboriosas em diversos setores produtivos, tendo se aposentado recentemente na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, onde trabalhou por muitos anos na Fiscalização.

https://www.amazon.com/Epis%C3%B3dios-Junh%C3%A3o-Portuguese-Joswilton-Jorge/dp/B08PQP2SF2/ref=sr_1_1?dchild=1&keywords=epis%C3%B3dios+do+junh%C3%A3o&qid=1607603931&sr=8-1

https://www.amazon.com/dp/B08SL1F6MR/ref=cm_sw_r_wa_awdb_imm_t1_Vf2aGb0YSAXV3https://read.amazon.com/kp/card?preview=inline&linkCode=kpd&ref_=k4w_oembed_ym6MB3b2KScCI7&asin=B08SL1F6MR&tag=kpembed-20

1 comentário em “No dia das Mães não poderia faltar a homenagem do Junhão.”

  1. Perfeito o Episódio do Junhão do dia das Mães, talvez um dos melhores Episódios q já li. Não podíamos esperar outra coisa do Junhão.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: