Dourado e o duelo Lixão x Aterro Sanitário

Após vencimento da data, estipulada por lei, para a substituição dos lixões nos municípios por Aterros Sanitários, houve o estabelecimento de novo prazo, que  ao que parece que também não será observado.

Como todos sabemos, o enfrentamento  adequado desta questão  resulta em economia  na preservação ambiental, na desativação dos lixões, bem como na rede governamental de saúde.

Outro problema grave é a proximidade de alguns lixões com campos de pouso de aeronaves, o que pode provocar acidentes considerando que o lixo atrai urubus. Tendo em vista que estes pequenos campos de pouso são usualmente utilizados em épocas de eleição, é de admirar que os nossos deputados ainda não tenham se dado conta do risco que correm.

Visando  contribuir para o equacionamento deste problema sugerimos:

  1. Estabelecimento de linhas de financiamento especifica do governo federal, com este fim
  2. Divulgação pelo governo federal de diferentes modelos de plantas de instalações de arterros sanitários
  3. Divulgação de um cartilha destacando os critérios técnicos a serem observados na localização de um aterro, abrangendo os elementos da geodiversidade e da biodiversidade
  4. divulgação pelo governo federal de estudos sobre as distancias entre as cidades para viabilizar a presença de consórcios
  5. Considerar que existem municípios que possuem Distritos que também geram uma considerável quantidade diária de lixo.
  6. Se considerarmos que cada habitante produz em media 1 kg de lixo por dia, considerando residências, hospitais, supermercados, oficinas, rodoviárias, campos de futebol, restaurantes, etc é possível avaliar o volume produzido diariamente.

Geólogos, biólogos, geógrafos e engenheiros devem ficar atentos a essa questão, que representa um grande mercado de trabalho, para definição do local e construção do aterro Sanitário Afinal, se considerarmos os cinco maiores estados brasileiros em numero de municípios MG (853), SP (695), RS (497), BA (417) e PR (399) temos um total de 2811 municípios.

Antonio J. Dourado Rocha

Geólogo

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: