Concluídas fundações dos aerogeradores do Conjunto Eólico Campo Largo 2

A concretagem das fundações, uma importante etapa das obras civis do Conjunto Eólico Campo Largo 2, foi finalizada na última quinta-feira (21). Em 180 dias de trabalho, 47 mil metros cúbicos de concreto e mais de 4.600 toneladas de aço foram utilizados para construir as 86 bases previstas no projeto.

 

“Alcançamos com sucesso um grande marco do projeto. Isso é reflexo de um trabalho duro e responsável, realizado em equipe, sempre prezando pela qualidade, segurança e saúde de todos os profissionais envolvidos, o que é mais importante”, destacou o gerente de Projetos da Engie, Giuliano Pasquali.

 

As obras do Conjunto Eólico estão com mais de 60% dos serviços concluídos. A ampliação da subestação foi finalizada, os primeiros parques já entraram em operação em teste e as atividades de terraplanagem dos acessos e plataformas seguem na reta final.

 

Localizado nos Municípios de Umburanas e Sento Sé, o Conjunto Eólico Campo Largo 2 será formado por 86 aerogeradores, distribuídos em 11 parques eólicos.

Quando finalizado, o empreendimento vai agregar 361,2 MW de capacidade ao Sistema Interligado Nacional, levando o cluster da ENGIE na Bahia, formado também pelos Conjuntos Eólicos Campo Largo e Umburanas, a alcançar mais de 1 GW de capacidade instalada.

 

 

Sobre a ENGIE

 A ENGIE Brasil é a maior produtora privada de energia elétrica do Brasil, com capacidade instalada própria de 10.211MW em 61 usinas, o que representa cerca de 6% da capacidade do país. A empresa possui quase 90% de sua capacidade instalada no país proveniente de fontes renováveis e com baixas emissões de GEE, como usinas hidrelétricas, eólicas, solares e biomassa.

 Com a aquisição da TAG, a ENGIE é agora também detentora da mais extensa malha de transporte de gás natural do país, com 4.500 km, que atravessam 10 estados e 191 municípios. 

 Além disso, o Grupo atua no Brasil na comercialização de energia no mercado livre e está entre as maiores empresas em geração fotovoltaica distribuída. A empresa possui ainda um portfólio completo em soluções integradas responsáveis em reduzir custos e melhorar infraestruturas para empresas e cidades, como eficiência energética, monitoramento e gerenciamento de energia, gestão de contratos de fornecimento de eletricidade, iluminação pública, sistemas de HVAC, telecomunicação, segurança e mobilidade Urbana. Contando com 2.750 colaboradores, a ENGIE teve no país em 2019 um faturamento de R$ 10,5 bilhões. 

 O Grupo é uma referência mundial em energia e serviços de baixo carbono. Para fazer frente às mudanças climáticas, para fazer frente às mudanças climáticas, a ambição da ENGIE é se tornar líder global da transição para uma economia de carbono zero para os clientes, em particular empresas e autoridades locais.  A ENGIE se apoia nas suas atividades chave (energia renovável, gás, serviços) para oferecer soluções competitivas turnkey “as a service”. Com seus 160.000 colaboradores, clientes, parceiros e stakeholders, o Grupo é uma comunidade de Construtores Imaginativos, comprometidos a cada dia com um progresso harmonioso.

 Receita em 2019: 64,1 bilhões de euros. O Grupo está cotado nas bolsas de Paris e Bruxelas (ENGI) e é representado nos principais índices financeiros (CAC 40, DJ Euro Stoxx 50, Euronext 100, FTSE Eurotop 100, MSCI Europe) e índices não-financeiros (DJSI World, DJSI Europe e EuronextVigeoEiris – World 120, Eurozone 120, Europe 120, France 20, CAC 40 Governance).

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: